quinta-feira, 12 de março de 2015

Andando pela cidade de São Paulo


Você pode cruzar a sua cidade todos dias e não olhar direito, não perceber muito a sua volta...pode ser que isto, esta atitude de não ver, por vários motivos, um deles é a correria atrás da “grana” do básico pra sobrevivência, também indiretamente acabe ajudando a maquina devoradora da cidade; O Cupim exterminador que derruba tudo para erguer coisas modernas e praticas para uma civilização que cada vês mais existe para produzir, servir, mesmo que não se de conta disto. O que esta acontecendo com o Parque Augusta é mais ou menos isto; Tudo pelo e para o dinheiro. O sistema capitalista esta aí e não é todo o problema, a invenção do dinheiro foi uma forma para simplificar e melhorar a condição do trabalho, da troca...mas virou o Deus absoluto. O problema não é o dinheiro e nem o capitalismo porque o ser humano não é igual ao outro e a competição faz parte do jogo, do divertimento, da liberdade mas quando isto chega ao ponto de passar por cima de tudo, do social, dos recursos naturais, culturas, da arte popular das ruas, dos mais fracos...então isto pra mim vira doença e corroe tudo, devorando o que vem pela frente sem acordos, não há muitas regras sendo respeitadas, a inexistência do Estado para proteger o homem a natureza, pra controlar o "jogo", deixando que as regras do mercado, o dinheiro façam as suas e empurrem goela abaixo do povo, sob a forma de acordos, brechas nas leis ou mesmo tomando cadeiras na politica e descaradamente comandando quase tudo, a mídia inclusive. Sempre eles inventam um chavão novo para seguir praticando o velho sistema de comando: O Neoliberalismo por exemplo que nada tem de liberalismo, na América latina se foram os coronéis mas não o controle da situação e isto é apenas um exemplo.
 Existem coisas que tem que ser derrubadas pra dar lugar pra outras mas não se deve ir derrubando tudo e transformando  só pelo lucro e ideias e padrões do que é viver com conforto, segurança etc.
Uma volta pela cidade de SP, passando por ruas que você pode cruzar todos os dias mas com um pouco de tempo pra “VER” A SUA VOLTA, vai te mostrar o que faz de verdade uma cidade ser mais interessante, melhor pra circular, sempre tem algo que você não viu, algumas como prédios condenados ou grafites, frases, pessoas de todos os tipos...de repente uma rua que nunca passou e ela nem parece ser parte da cidade, bares, “botecos” gente de gravata, gente perdida, gente se divertindo, a correria no “trampo”...nada parece fazer sentido mas tudo existe e segue enquanto o grande Deus DINHEIRO  a tudo espreita silenciosamente e depois devora sem piedade...e um “louco”sentado na rua, rola com a sua peruca brasileira.Vanderlei Prado
Equação basica de qualidade para todos

Templo no bairro oriental da Liberdade

Bairro da Liberdade
Centro

O dia do ladrão Fui roubado, entraram na minha casa, quebraram o vidro e arrombaram um cadeado, já era previsto e tinha tirado já ...