terça-feira, 24 de dezembro de 2013

O mundo não acabou, o mundo ainda não mudou


O Papa é Marxista???? Depois de ouvir isto sobre declarações de um comentarista na TV, lembrei de uma conversa que tive num balcão de padaria, num certo dia, onde o assunto era sobre o trabalho e a fome. Eu simplesmente dizia que todas as pessoas tinham direito ao trabalho decente e comer bem, morar, etc e que num país rico naturalmente como o Brasil, não deveria existir uma pessoa sequer passando necessidades, a não ser que fosse da sua própria escolha. Seguindo nesta conversa uma pessoa que não estava gostando do que eu falava, disse que eu era comunista, o que eu respondi que não, ele insistiu, então eu disse pra parar a conversa tola que, se desejar que as pessoas vivam melhor e num ambiente social mais equilibrado fosse ser comunista, então pronto, eu era comunista.
Eu não tenho religião, não gosto nada de muitas coisas ligadas as Igrejas e mesmo a questão da própria ostentação e gasto de dinheiro justamente no Vaticano, mas este Papa Argentino esta fazendo vários gols, o que ele esta dizendo sobre uma melhor distribuição de renda e a situação da fome e miséria espalhada pelo mundo é a pura verdade e vai de encontro aos ensinamentos de quem deu origem a Igreja Católica, Jesus Cristo...sim ele mesmo, o rapaz que entre hoje e amanhã todo mundo estará festejando em seu nome, inclusive milhares de pessoas responsáveis pela miséria humana, desgraça, guerras e fome pelo mundo, milhares de políticos que até agora não entenderam que o seu papel é trabalhar para o bem do povo e não se banquetear com o suado dinheiro da população e mesmo a parte boa da politica que também precisa entender que estão ganhando além do que precisam e poderiam começar a fazer a grande mudança que o Brasil precisa para ter menos pessoas mutiladas pela violência social todos os dias, distribuir melhor a riqueza...não é difícil, seria bem honesto da parte deles reconhecer que deveriam abaixar os seus próprios salários pra ajudar e que nada justifica o privilégio e a farra com o dinheiro dos outros.
Feliz Natal pra todos. Vanderlei

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Banda de Rock III Milênio



Os anos 60, 70 e começo de 80 foram uma época magica para o Rock . Um amigo que morava em Fortaleza costumava dizer, para explicar bandas como Pink Floyd, Purple, Beatles, Stones, Yes, Sabbath, entre tantas que chegaram ao que chegaram, dizia ele, um cara com uma “pegada” mais mística, pra não dizer aprendiz de "Feiticeiro", que estas bandas existiram graças a alguma configuração no universo, ou seja esta geração estava “condenada” no bom sentido a se encontrar e fazer o que fizeram. Faz algum sentido, mas O ACASO e a despretensão de quem esta vivo pra ser dono e lutar pelo controle do seu destino também pode explicar , agora o mais importante nisto tudo é que o trabalho foi feito. Quando John Lennon no final dos anos 70 disse que o sonho tinha acabado, a sua frase pra mim não tinha a menor importância porque no meu caso a festa estava apenas começando e eu estava indo pra estrada simplesmente pra conferir aquilo que eu havia escutado do movimento destes tempos, naqueles discos que eu tinha que esperar doze meses até o próximo lançamento.. John Lennon morreu e eu estava em Manaus, praticamente no começo da minha viagem que levou muito anos e isto também fez com que eu não tenha conhecido algumas coisas importantes da cena rock de SP, do Punk do ABC por exemplo, muitas bandas que surgiram e depois sumiram. Por outro lado fui pegando a musica diretamente na sua raiz, nos puteiros de beira de estrada de Belém, nos bares simples da Colômbia, nas "Penhas"( não sei se o termo esta correto, mas assim eram chamados, casas que pessoas se reuniam para beber e tocar)   do Peru e no radio de pilha que fez a minha trilha sonora por estes países. Quando voltei ao Brasil vindo do Chile, na época do nefasto Sr. Pinochet, morei no Rio e frequentei o Circo Voador onde estava surgindo um dos maiores movimentos do Rock nacional, o pop Rock na verdade. Barão vermelho com Cazuza fazia um som com letras que falavam o que realmente acontecia na cabeça de um garoto do Rio de Janeiro, Titãs igualmente sobre SP, Paralamas, Blitz, Lobão, Legião Urbana. Esta geração conseguiu colocar uma sonoridade na linguagem, na maneira de se cantar rock em português. Jorge Ben foi um dos mestres nesta linguagem, apesar disto ter sido em outra época onde o pessoal da Jovem Guarda pegou o mesmo movimento Rock and Roll; Little Richard, Chuck Barry, Elvis, praticamente( ou um pouco só depois ) no mesmo tempo que o próprio USA e Inglaterra. Erasmo e Roberto Carlos cantavam sem perder pra ninguém no mesmo estilo juvenil do Rock and Roll, só que o Brasil é o reduto do Samba e de tantos outros sons também e no  caso de Jorge Ben Jor ele conseguiu fazer a alquimia, colocou João Gilberto junto com Chuck Berry, Soul, no seu caldeirão, sem se preocupar com outras opiniões e deu no que deu, influenciou toda uma levada de cantores do Rock Nacional, principalmente o Pop . No caso do Rock, Hard, ou o som mais pesado precursor do Heavy, Thrash entre outros sons e também do rock Progressivo, a coisa antes do surgimento do Pop Nacional ou da explosão via Circo Voador e Radio Fluminense, era mais complicada, muitas bandas queriam ser praticamente clones das grandes bandas Inglesas ou Americanas e aí tinha aquela questão; Pra que comprar um disco perfeito de uma banda nacional que se esforça tanto pra parecer com Led Zeppellin, ou Purple se eu posso comprar o LP da banda original, sem falar nas bandas cantando em Português tentando soar, a pronuncia, como se fosse em Inglês. Eu vi isto agora depois de tanto tempo no Rock in Rio, uma banda muito boa, entrou tocando Motörhead e foi  bem, mas quando fez o seu som cantando em português eu mudei de canal. Alguém talvez se lembre de "Manuel...Foi pro céu", no caso de Ed Mota( Soul ) podemos "dar um desconto" porque ele conseguiu fazer o som. Nos anos 70 e 80 na contra mão disto tivemos bandas cantando em Português, como Novos Baianos , Mutantes , Secos e Molhados que mostraram que era possível sim fazer rock nacional bom sem cair nestas armadilhas e ficar perdido na Selva do Rock and Roll.
Entre tantas bandas que cantaram em Português e também fizeram isto muito bem existe uma que poucas pessoas infelizmente não conheceram. Esta banda chegou a lançar um disco com reconhecimento internacional, isto muito antes de muitas bandas conhecidas; O nome desta banda é III Milênio.
Um álbum conceitual, uma opera rock cantada em Português e sem querer soar como se estivessem cantando em Inglês, Rock nacional de verdade, os caras estavam fazendo um som progressivo com ótima sonoridade e com levadas de guitarras que esbarram no Heavy, quase um thrash domado com sonoridade clássica.
A
 banda lançou uma página no facebook para comemorar os 23 anos do
 lançamento mundial de Aliança dos Tempos - Ato I - Tawan e lançará em
 1 de dezembro de 2013 um blog (já em fase experimental)  com o
anúncio da NOVA OBRA ÉPICA da Casa de Aron, musical em dois atos
compostos com harmônicos"




sábado, 5 de outubro de 2013

A Feirinha da Teodoro Sampaio voltou

Aos sábados entre a esquina da João Moura e a Rua Lisboa, Pinheiros São Paulo.
Arte na Rua.
Artesanato
Produtos culturais, à uma quadra do quarteirão das melhores lojas de instrumentos musicais de SP e perto da estação do metro Clínicas.
Teodoro c/Feira aos sábados
Teodoro sem Feira na semana
Rua Teodoro Sampaio

Artesanato e cerveja gelada e barata na redondeza

 
Pessoas na Teodoro

Pessoas, pessoas... de todos os tipos
Pessoas, pessoas... de todos os tipos
Pessoas de São Paulo
Pessoas de todos os lugares

1250 head bangers descendo a rua Teodoro
823 emos
400 Elvis e 200 Bob Marleys
50 Rihannas e 125 Katy Perrys...2 Steven Tyler e 3 Erasmo Carlos
700 lutadores de MMA em busca do titulo e 19750 bonecos infláveis de academia
300 Punks e 9000 bonecos japoneses que acabaram de fugir do gibi
Uma Barbie e nenhuma Marilyn Monroe

Pessoas, pessoas de todos os tipos
Pessoas, pessoas de todos os tipos

40 artesãos malucos, 10 Hippies que nunca mais voltaram de Woodstock
E um alemão com cara de brinquedo( Vanderlei Prado )

Video com o Alemão dos brinquedos/peças antigas de coleção
Alemão também trabalha na Feirinha da Teodoro aos sábados das 10 hs as 18 hs










Arte nas ruas de SP

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Bill Gates: pizzas, rachas e os primeiros passos da indústria de PCs

Talvez seja difícil de acreditar, mas o Tio Bill realmente viveu alguns anos divertidos na sua curta época de universidade
 Por Rafael Gazzarrini em 2 de Outubro de 2013


Hoje em dia, as pessoas enxergam o famoso Bill Gates como um senhor muito rico e um dos gigantes do mercado dos computadores — além de ser um filantropo declarado, investindo uma parte considerável da sua fortuna em programas de caridade. No entanto, o empresário nem sempre foi essa pessoa “certinha” que todos estão acostumados a ver.
Em uma obra escrita pelo autor Walter Isaacson — que está escrevendo sobre os grandes nomes da Era Digital —, ele relembra um pouco do tempo em que Gates estudou na Universidade de Harvard, assim como os seus primeiros passos que o direcionaram para o mercado de computadores pessoais. E talvez você se espante um pouco com tudo que o Tio Bill fez na sua juventude.

Escolhendo o próprio caminho...

Quando estava terminando os seus estudos no colégio, Bill Gates fundou um pequeno grupo que desenvolvia linhas de códigos para empresas norte-americanas — algo raro naquela época, principalmente se você levar em consideração a idade dele. Por conta disso, ele conseguiu créditos suficientes para pleitear vagas nas Universidades de Harvard, Princeton e Yale.
Na primeira, ele focou a sua paixão por matemática, sendo que na segunda a sua vocação como líder falou mais alto e, na terceira, foi a engenharia computacional. Ele chegou a pensar em entrar para o MIT, mas decidiu jogar pinball no lugar de comparecer à entrevista, de modo que ele acabou indo para Harvard.
Bill Gates: pizzas, rachas e os primeiros passos da indústria de PCsFoto da época em que Gates estava em Harvard. (Fonte da imagem: Reprodução/ufrgs)
Quando chegou à universidade, ele pediu para ter um companheiro de quarto que fosse de outra cultura, possibilitando uma troca de experiências. Dessa maneira, ele acabou amigo de outros dois universitários, chamados Sam Znaimer e Jim Jenkins — um de família judia refugiada e outro um afroamericano, respectivamente.
Em relação ao Tio Bill, eles dizem que o garoto era amigável e um pouco estranho. Além disso, o estudante chamava a atenção por estudar por até 36 horas seguidas e, depois, “desmaiar” por 10 horas. Sempre que acordava, Gates comia um pedaço de pizza e começava todo o seu processo de estudo novamente — no entanto, ele também era um apreciador de games feitos para o antigo console Atari, convidando os amigos para jogar com frequência.

Estudos, poker e mais pizza

Bill Gates: pizzas, rachas e os primeiros passos da indústria de PCsTio Bill curtindo um jogo de pôquer. (Fonte da imagem: Reprodução/Glamwire)
Por conta da sua maratona de estudos e pelo fato de que o senhor Gates é o tipo de pessoa que realmente foca os seus esforços, ele normalmente era considerado a pessoa mais inteligente da sua turma. E, mesmo conseguindo criar um jogo de baseball com computação militar, isso não continuou a acontecer por muito tempo.
Depois de um tempo, o futuro dono da Microsoft conheceu um aluno chamado Andy Braiterman, que era melhor do que ele em matemática. Após mais conhecer mais pessoas com esta mesma característica, Gates decidiu que iria aprofundar os seus conhecimentos em matemática aplicada — área em que demonstrou uma aptidão notável.
Também foi nesta época em que Bill descobriu o seu gosto pelo pôquer. Quando decidiu que iria dividir um quarto com Braiterman e se mudar para o alojamento Currier House, eles jogavam todo fim de semana com amigos comendo ainda mais pizza. No entanto, Gates era bom com a probabilidade das cartas, mas não em ler seus “adversários”, de modo que ele perdia uma boa quantia de dinheiro de tempos em tempos.

O início de uma era!

Em 1974, Bill Gates era um estudante de Harvard fascinado pelo possível mundo da computação e matemática. No entanto, foi um de seus amigos, Paul Allen, quem ajudou a dar o pontapé para que o futuro dono da Microsoft começasse a fazer história — mudando a sua vida universitária e também o seu futuro.
Tudo começou quando Allen, que havia abandonado a faculdade por conselho de Gates e se mudado para Cambridge, comprou uma edição da revista Popular Electronics, em que havia uma matéria sobre a chegada do primeiro computador pessoal, o Altair. Até aí tudo bem, mas o problema era que os dois estavam fora de toda essa situação.
Bill Gates: pizzas, rachas e os primeiros passos da indústria de PCsGates e seu amigo e co-fundador da Microsoft, Paul Allen. (Fonte da imagem: Reprodução/Wired)
Assim que Allen mostrou o artigo para o Tio Bill, o futuro empresário passou um bom tempo pensando de maneira intensa. Quando eles decidiram o que fazer, também resolveram perder as suas férias de inverno — mas por um bom motivo, já que eles passaram oito semanas criando seu próprio software de computação pessoal para o Altair.
Hoje em dia, quando se lembra do passado, o Tio Bill afirma que essa foi a sua decisão mais importante. Isso acontece pelo simples fato de que eles estavam investindo em algo completamente novo, já que não existia um mercado voltado para software como acontece atualmente, de modo que eles foram pioneiros.

Um pouco de “malemolência”

Bill Gates: pizzas, rachas e os primeiros passos da indústria de PCs
O programa que Allen e Gates gostariam de criar para o antigo Altair tinha o objetivo de possibilitar a produção de softwares por quem encarava a programação como um passatempo — além disso, a ferramenta era conhecida apenas como BASIC. O empenho era tanto que eles perderam provas de disciplinas da universidade e focaram apenas em produzir um bom produto.
Contudo, para que todo esse esforço resultasse em bons frutos, eles precisavam ter certeza de que o software seria vendido. Por conta disso, antes de terminá-lo, Gates e Allen ligaram para a MITS (fabricante do Altair) e venderam algo que ainda não estava pronto — mas é lógico que eles pretendiam finalizá-lo e vendê-lo o quanto antes.
Devido à sua rotina de trabalho, a dupla conseguiu terminar o BASIC e o resto é história. O Tio Bill e seu sócio (que por sinal, é Allen) cresceram ainda mais dentro do mundo da computação pessoal, fundaram a Microsoft e depois desenvolveram o Windows, revolucionando todo o mundo da computação e ajudando a construir os computadores que você conhece hoje em dia.

Mas e os rachas?

Pirates of Silicon Valley trailer

http://www.youtube.com/watch?v=lEyrivrjAuU 

  Uma curiosidade sobre os gostos de Bill Gates é o fato de que ele sempre achou bacana acelerar os seus carros até atingir altas velocidades. Por conta disso, um pouco antes de criar o famoso Windows, ele e Steve Ballmer apostaram corrida com tratores no Vale do Silício — assim como conta a história do filme “Pirata do Silício”, que também mostra um pouco da jornada de Steve Jobs.

Bill Gates chegou a ser preso duas vezes por conta das suas corridas, sendo que Paul Allen foi um dos responsáveis por tirá-lo da cadeia. Um pouco difícil de imaginar o atual senhor e filantropo encarando corridas ilegais nas ruas dos Estados Unidos, não é mesmo?


sábado, 21 de setembro de 2013

A invasão dos “urubus” no Rock in Rio pra colocar ordem na casa/ Metallica


No dia em que os “urubus “( milhares de camisas pretas) também conhecidos como headbanger,  invadiram o Rock in Rio, mais uma ves pra colocar ordem na casa e resgatar uma parte da ideia inicial que era o Rock in Rio ser um festival de rock, muitos guitarristas, vocalistas, músicos da mesma geração do final dos anos 70 e começo de 80, que também estavam formando as suas bandas por todas as partes do mundo, devem estar perguntando como eu; O que significa isto!!! Como? Nós não conseguimos nem formar a nossa banda e estes “moleques” chegaram a este ponto. Valha minha Nossa Senhora dos metais pesados, vanádio, estrôncio, e zinco, será que agora estão querendo mostrar ainda mais serviço pra talvez dividir o degrau mais alto do som pesado com seus pais, o Black Sabbath...Não, o Sabbath nem é mais uma banda, se transformou numa entidade inatingível que do alto do seu castelo, apenas contempla com muita atenção A TENTATIVA DE SEU FILHOS em alcançar e dividir o trono, no máximo olham e dão um bocejo...Oh! Bom estes garotos de 50 anos, que solo interessante...Este James Hetfiled e este Kirk Hammett tem futuro, James sabe fazer uma guitarra soar como uma metralhadora, ou então, depois de tanto tempo, voltaram a bater cabeça e pular pela sala com o som dos seus discípulos.
Ontem assistindo o Metallica pela madrugada, quando menos percebi eu estava tocando novamente a minha guitarra e bateria invisível. Ainda bem que não tinha ninguém pra me dizer; Para já com isto, tire esta camisa preta velha e volte já pro seu pijama!
Ontem, tirando umas entrevistas desnecessárias pra não dizer outra coisa, com figuras conhecidas da TV, o trabalho do pessoal do Multishow foi muto bom. As entrevistas com as bandas e cenas com o publico que encheu aquilo tudo de preto foram bem feitas. Teve uma cena que passou bem rápido, era um garoto, devia ter uns 10 anos e uma menina de no máximo 12 de camiseta preta e batendo cabeça com personalidade de headbanger, "urubu" com muita propriedade. Por tudo isto e mais alguma coisa que o Rock esta aí e deve seguir por mais uns mil anos, pelo menos.
Ontem eu acabei perdendo o show do Sepultura que deve ter feito um super concerto, os caras sabem o que estão fazendo ali neste dia e neste palco, vi uma parte do "Papa" com a sua missa, interessante mas...Tragam me um chá...
Alice in Chains quando entrou levou a coisa lá pra cima, muito bom e aí o Metallica simplesmente assombrou. Como disse um comentarista : Sem Palavras...E foi isto mesmo, quem assistiu e gosta do tipo de som, sabe que foi um dos melhores concertos de rock de todos os tempos

Metallica - Rock in Rio 2013https://www.youtube.com/watch?v=hprutgs6S00


 

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

O artista na Rua/ Antônio Carlos em "O Grito"


Milhares de pessoas caminham pelas ruas das cidades, todos os dias, por varias partes do mundo.
Pessoas e seus pensamentos, trabalho, diversão, problemas, sonhos e metas a ser alcançadas. A neurose da cidade grande, o medo, a desconfiança geral e portanto pouca comunicação de verdade. A fuga: Todos se escondem e correm pra algum ponto, algum lugar ou mesmo algo inventado dentro da própria mente, um oásis na cabeça( isto pra quem ainda é criativo num mundo onde todo mundo passa olhando pra sua telinha do celular). São Paulo não tem praia, pouco verde, muito concreto e milhares de carros. Nas minhas viagens cada vês mais frequentes pelas ruas e becos de New York( o boneco do Mapa do Google) percebo que tudo aquilo parece mais vivo, cores, arvores, o Times Square, pessoas ligadas no barato daquelas enormes propagandas nos prédios de mais de 30 andares. Tem bancos ao longo de vários caminhos pras pessoas pararem e dar um tempo, ficar de “bobeira”, olhando e descansando o corpo e a mente.. Parece que é de “verdade”, uma cidade para as pessoas, o contrario de São Paulo onde pelo menos eu tenho quase sempre a impressão que é um lugar onde a arquitetura tomou um rumo pra que as pessoas não parem muito, somente circulem, trabalhem bastante pra riqueza de poucos e voltem para os seus lares, longe, para dormir e no outro dia fazer tudo novamente.
Li um artigo num jornal onde um arquiteto conhecido falava sobre a influencia da arquitetura na cidade, na vida das pessoas e na política e de como se podia mudar uma cidade rapidamente através disto . Logo depois de um tempo, ainda na gestão passada vi bancos sendo colocados nas praças com um ferro no meio para que as pessoas não deitassem, vi muitas arvores sendo podadas na Av. Paulista para que a área ficasse mais “limpa” pra que nada se escondesse, nenhum banco pra sentar, pelo contrario ao longo de um canteiro central, uma quina dura pra afugentar quem por ali tivesse a “ousadia” de sentar. A hipocrisia disto tudo é quando vejo alguns comerciais na TV onde procuram locais e encenam coisas que não faz parte da cultura local . Isto sem falar na quantidade de pessoas brancas com traços europeus para que isto se pareça com outro mundo( apesar que vi isto também em vários países aqui próximos, alguns com uma população de maioria de origem indígena mas que nas propagandas e telenovelas o padrão era Europeu..) Pra mim São Paulo ainda sobrevive, tem um pouco de saúde apesar de tudo, graças a boa parte das pessoas desta cidade, gente que sempre esta fazendo algo e transformando o que pode, inventando e também graças aos loucos”, artistas de rua, artesãos, pessoas que improvisam num simples passeio de domingo, outro dia vi uma bailarina na calçada tirando fotos e uma garotinha brincando com o efeito do vento que vinha das grades do metro, um adolescente misto de punk e glitter com cabelo rosa e uma camiseta escrito: I love... e o resto da frase algo assim como esquizofrenia ou algo parecido. Usando uma frase de Jeck Kerouac: “Aqui estão os loucos. Os desajustados. Os rebeldes. Os criadores de caso. Os pinos redondos nos buracos quadrados. Aqueles que vêem as coisas de forma diferente. Eles não curtem regras. E não respeitam o status quo. Você pode citá-los, discordar deles, glorificá-los ou caluniá-los. Mas a única coisa que você não pode fazer é ignorá-los. Porque eles mudam as coisas. Empurram a raça humana para a frente. E, enquanto alguns os vêem como loucos, nós os vemos como geniais. Porque as pessoas loucas o bastante para acreditar que podem mudar o mundo, são as que o mudam”.
Um desses personagens de São Paulo, um desses “loucos” que transformam a vida das pessoas que passeiam pelas calçadas aos domingos na Av. Paulista é um ator, seu nome é Antônio Carlos Teixeira, já participou de vários comerciais famosos de TV e também teve participações em novelas e filmes, ao lado de muita gente conhecida da telinha e atualmente desenvolve o seu trabalho na rua; Uma performance- intervenção inspirada no quadro “ O Grito” (1893), do pintor noruêgues Eduard Munch. O seu trabalho mistura a técnica da estatua viva com citações de poesia e o principal que na sua intervenção com o publico, que acontece a todo momento o improviso é o que faz o seu trabalho ser diferente do que tenho visto na maioria das ruas da cidade. As pessoas param pra tirar fotos, colocar dinheiro no chapéu e recebem em troca a atenção e poesia na dosagem certa. É muito diferente e interessante, algumas pessoas no inicio se assustam com o personagem parado no muro do Casarão em ruínas da Paulista, outras se divertem e param pra ouvir os poemas, teve uma criança que passou olhou e comentou com o paí que não valeu porque estatua não se mexe, claro que o garoto de uns 6 anos pensa que o trabalho que Antônio Carlos faz é o mesmo das estatuas vivas.
Uma das qualidade das mais importantes que uma pessoa pode ter, pra mim, é a honestidade, não falo da honestidade ligada a moral convencional, que foi colocada goela abaixo pra você nas escolas, igrejas, dentro da sua própria casa. Isto tem a sua importância na sua formação, mas talvez eu esteja falando de outra coisa, da verdade relativa da sua curta existência no planeta, a sua verdade, ser dono dos seus movimentos, a maioria dos pensamentos, vontade e aí o seus limites e respeito com o outro. Disto tudo, as suas atitudes se somam a outras tantas para formar o que chamamos de mundo. Antonio Carlos costuma nas sua conversas falar que um dos problemas do mundo, simplesmente é a falta de amor e no seu caso a honestidade que demonstra, mais a entrega, corpo e alma que faz na sua performance, forma algo parecido como uma entidade junto com o publico nestes domingos no muro do Casarão da Paulista, colaborando por um breve momento  que o mundo se torne melhor.
Eu vendo artesanato na rua, não sou artista mas faço parte deste movimento há muito tempo, estive vagando pela América do Sul, atravessei o deserto do Atacama de carona pela Pan Americana, bêbado por uns 15 dias em Cusco no Peru, Colômbia, Manaus e 10 anos nas praias do Nordeste, Fortaleza. A ideia inicial era chegar na Califórnia, São Francisco mas quem manda na estrada é o vento e depois deste giro,  já a pelo menos 17 anos estou de volta as ruas de SP, Teodoro Sampaio e Augusta e por ultimo dei a sorte de baixar a minha “nave”, as peças de artesanato, na Av. Paulista, no muro da velha mansão; O casarão da Paulista onde o ator Antônio Carlos tambem desenvolve o seu trabalho. Entre a luta pela sobrevivência de vender artesanato eu ainda posso ver a performance de O Grito e ainda assistir ao grande espetáculo que acaba se tornando a Av. Paulista aos domingos, com as cores que invadem a avenida, com os artistas, artesãos, pessoas de todas as partes do mundo, até os prédios que durante a semana parecem mais cinza, neste dia mudam de cor. Em frente ao casarão no entardecer com o sol se pondo e o acender das luzes, um conjunto de prédios na minha frente refletem uma cor de piscina, mar, por causa do efeito dos vidros espelhados.
 SP estava tomando um rumo repressivo, a arte na rua estava proibida e tivemos que correr muito da policia enquanto buscávamos uma solução por meio da politica. Agora finalmente foi aprovada a lei dos artistas de rua que permite o nosso trabalho sem termos que fugir como bandidos da Policia Militar. Ao contrario da era “Feudal” que acabamos de passar, parece que a Prefeitura deve seguir investindo nesta ideia que faz bem pra todo mundo que é simplesmente a arte na rua e com isto a cidade se transforma em um lugar pra se viver e não somente pra que pessoas caminhem apressadas, com medo das outras( Vanderlei)
 

Foto - Marcos Xavier Dias
Performance-Intervenção

Foto - Marcos Xavier Dias


Performance-intervenção do ator Antônio Carlos Teixeira. Inspirada no quadro "O Grito" (1893), do pintor norueguês Edvard Munch, que está no museu de Oslo, um dos ícones do expressionismo. O trabalho consiste numa mistura da técnica de estátua viva com textos teatrais e aforismos de diversos autores; entre eles: André Breton, Antoine de Saint-Exupéry, Bertolt Brecht, Campos de Carvalho, Clarice Lispector, Friedrich Nietzsche, Johnny Depp (ator), Violeta Parra, William Shakespeare, e outros de autoria desconhecida. A estátua é sugerida, não pela textura, mas pelo lúdico: a imobilização extrema, o rosto, as mãos e os pés brancos como o mármore (recobertos de maquiagem branca). Há uma provocação simbólica de autoprojeção na figura paralisada, de boca aberta na expressão de um grito. Como se a figura representada, que grita seu grito existencial e silencioso, fosse espelho do "outro", do transeunte, do seu semelhante. Na aproximação de espectador(es) e/ou ao ouvir o tinir das moedas ou perceber o voo das notas em direção ao fundo do chapéu, a paralisação da estátua é quebrada pela verborragia da poesia, a filosofia é pretensiosamente instaurada. E em algum ponto literal de um texto ou frase, onde ator e interlocutor(es) respiram e pairam o olhar, a paralisação da estátua viva é retomada lentamente até a posição inicial, e, contraditoriamente, imponente com o seu figurino fragmentado (de retalhos) e colorido, com as cores expressionistas como a tela de Munch. E é como se a figura apresentada, todos ali e tudo ao seu redor compusessem uma releitura do quadro. 

"O GRITO é de Edvard Munch, é meu, é SEU, é dele, é dela. O GRITO é de todos nós." - diz a estátua viva, mais do que viva!


Texto:    Antônio Carlos Teixeira

Revisão: Daniel Rech Vêga

O Ator.

Antônio Carlos Teixeira, carioca, freqüentador assíduo de São Paulo há mais de dez anos, sendo que nos últimos quatro anos, resolveu assumir a capital como cidade residente. De formação teatral, fez parte da Cia F... Privilegiados no Rio de Janeiro, fundada e dirigida por Antônio Abujamra, adquirindo forte influência Brechtiana, herdada do mestre e diretor, que sempre demonstrara em seus trabalhos. Circulou um pouco por televisão e cinema. Participações em diversas produções da Rede Globo: “Caras & Bocas”, “Beleza Pura”, “Sítio do Picapau Amarelo”, “Sob Nova Direção”, “Minha Nada Mole Vida”, dentre outras; HBO e produtora Mixer: “O Negócio”; propagandas: Postos Ipiranga, Claro Telefonia, Cerveja Kaiser, VR Refeição, Banco da providência, Dupla Sena, Associação Brasileira de Propaganda, Cartão Visa, Unimed, sandálias Havaianas e outras; cinema: “A Mulher Invisível”, “Entre Macacos e Anjos” (em pós-produção) e Zico, o Filme.


Texto:    Antônio Carlos Teixeira
Revisão: Daniel Rech Vêga
Vídeos de trabalho:http://br.youtube.com/AntonioCarlosbook








Arte na Rua

"Qual é a sua estrada, homem? - a estrada do místico, a estrada do louco, a estrada do arco-íris, a estrada dos peixes, qualquer estrada... Há sempre uma estrada em qualquer lugar, para qualquer pessoa, em qualquer circunstância. Como, onde, por quê?"
Jack Kerouac





Antônio Carlos Teixeira
 
Carmina Burana/ O Fortuna    Carl Orff

Oh, fortuna,
Variável como o
Estado da lua,
Sempre crescendo
Ou decrescendo;
Vida detestável
Agora oprime
Depois alivia
Brinca com o desejos das mentes,
Pobreza,
Poder
Dissolves como gelo.


Destino monstruoso
E vazio,
Tu, roda volúvel,
és malevolente,
Bondade em vão
Que sempre leva a nada,
Obscura
E velada
Também me amaldiçoaste;
Agora - por diversão -
Trago o dorso nu
à tua vilania.


O destino da saúde
E virtude
Me é contrário,
Dás
E tiras
Sempre escravizando;
Então agora
Sem demora
Tange essa corda vibrante;
Já que o destino
Extermina o forte,
Chorais todos comigo.

A origem de Carmina Burana:http://www.das.ufsc.br/~sumar/perfumaria/Carmina_Burana/carmina_burana.htm

O casarão

Balada do Louco - Os Mutantes (Video clip)Daniel Cruz886

 




O dia do ladrão Fui roubado, entraram na minha casa, quebraram o vidro e arrombaram um cadeado, já era previsto e tinha tirado já ...