quinta-feira, 21 de abril de 2011

Morar bem; O seu condomínio, a sua "quebrada", a sua oca.

Interessante como alguns poucos minutos de pedalada de bicicleta numa rua tranquila, refresca a cabeça e faz você ver coisas que normalmente passariam despercebidas pela falta de tempo e  correria em busca do nada de todos os dias. A vida é simples, de todo o lixo produzido pela nossa corrida diária, pouca coisa acaba servindo para o seu desenvolvimento e das outras pessoas do planeta. A grande verdade é que o ser humano ao longo dos tempos armou a sua ratoeira e ficou preso na sua bela invenção.Pra sustentar a sua " ideia de asno", tem que viver todos os dias desperdiçando energia e também atrapalhando a vida de milhares de pessoas. Eu gosto de perder tempo pensando, ouvindo e parando pra ver coisas que por si só explicam mais que um monte de livros ou horas de pesquisas no computador. Naturalmente tudo tem o seu preço e o meu é estar sempre sem dinheiro, "duro". Tive um amigo que trabalhava também com artesanato nas calçadas da Paulista, ele costumava dizer que ia escrever um livro intitulado; "como ganhar dinheiro, ficar rico", eu disse ; - bom , então vou esperar você escrever o seu livro, eu leio, e saio finalmente deste estado permanente de pobreza. Mas infelizmente ele não concluiu o seu projeto, talvez  tenha deixado pra mim esta "nobre missão", e como  sou um pouco perturbado, o titulo, caso escrevesse sairia assim; " Como conseguir ficar sempre pobre, perdendo bastante tempo", ou; " Se mantendo pobre, tentando por varias decadas montar uma banda de rock."( Este livro seria mais um recordista de fracassos)
Voltando as pedaladas pelo bairro onde moro, a Vila Pires em Santo André, numa rua próxima a minha tem um bar de esquina, onde sempre vejo um pessoal  tomando cerveja, "trocando uma ideia", alguém passeando com o seu cachorro. A impressão que se  tem é que estes "caras" vivem bem, tem uma sintonia com o seu "pedaço", ambiente, amizade e isto numa Vila simples, são pessoas como a maioria dos brasileiros que levantam cedo, chegam tarde na volta do trabalho, tem um carro na garagem, ou dois, nada de mais. Nesta rua não existe a ideia de um grande portão fechando o acesso, como nos condomínios fechados. Tudo isto faz parte da ideia principal que é a de viver bem, estar integrado com o que esta acontecendo a sua volta, com as pessoas.Mas mesmo nestas vilas que ainda resistem a especulação imobiliária, este saudável estilo de vida esta acabando. No caso da Vila Pires as construtoras, compram uma casa em um terreno de 12x 30 m, fazem a demolição e constroem 4 sobrados espremidos que parecem mais como caixas de pombos e aí você imagina, cada sobrado com um ou dois carros, que multiplicados por 4 dará um total de 8 num espaço que só deveria ter uma casa. Se cada sobrado tiver em média 4 pessoas são pelo menos 16 festas de aniversário por ano, tirando as festinhas dos netos e crianças etc, o pacote completo pode incluir ainda um ou dois skatistas "rebeldes" que vão querer mostrar serviço do lado da sua casa, da sua janela e se tudo  "CORRER BEM" o seu "pedaço" pode virar um " point" temporário para pelo menos uma dúzia de amigos do seus vizinhos skatistas.Com a chegada deste outro modo de vida,  das " caixas de pombos"vem também a cultura do individualismo ao extremo, todos viram suspeitos e muitos destes novos moradores, tem a ilusão que são classe média alta e devem ter nas suas cabeças a meta de se tornarem realmente pessoas com bastante dinheiro(o que não tem nada de errado, o problema é só o que podem fazer para atingirem os seus objetivos).
Os condomínios por sua vês trazem a ideia do afastamento dos problemas das grandes cidades, criam mais uma ilusão que é quebrada com um simples passeio de um morador pela sua região, onde poderá ser assaltado, sequestrado e morto.
Certa vez, li numa desta revistas velhas das salas de espera de dentistas , uma frase de um guru religioso, que dizia que o homem em todos estes milhares de anos evoluiu muito pouco e o que o homem chama de evolução, nada mais é do que formas sofisticadas para fazer o que sempre fez desde a época das cavernas, se antes corria com os seus dois pés agora corre em cima de 4 rodas, simplesmente para comer, fazer sexo, se divertir e dormir.
Muitas vezes, morar bem, é uma condição que pode depender muito da sua cabeça, um bom lugar pode virar um inferno e as vezes um "buraco" ou uma pequena casa numa favela pode virar o melhor lugar do mundo, o ideal seria que todas as pessoas tivessem condições mínimas e boas, de moradia, o tamanho do Brasil e a sua riqueza mostram que isto é perfeitamente possível, mas enquanto existirem pessoas que precisam de varias casas espalhadas por praias, montanhas, diversas cidades, cada uma com 12 banheiros, vai demorar um pouco ainda.
 Obs:Caso o meu amigo lançar o seu livro, eu ler e ficar rico, vou construir uma casa com 50 banheiros, 5 piscinas, 3 com água quente, sendo que 2 com cascatas e água purificada importada das cordilheiras do Himalaia,  12 cozinheiras francesas...
Veja também o que escreveu Akirarw em seu blog(sonorica)http://sonorica.blogspot.com/2011/03/condominios-fechados-nova-onda-do.html

Almalem/até quando/por: fantasmycband










































































































imagens/google
 Cólera/viaduto/por: Marcelpunk

Um comentário:

  1. O problema é que São Paulo já está saturado em termos populacionais. Não dá mais pra comportar tanta gente do país todo. Tem que incentivar o desenvolvimento em cada estado nacional para evitar as migrações, que trazem sérios problemas para a metrópole paulistana. Se não, logo não haverá mais terrenos com casas na cidade inteira, só prédios enormes abarrotados de apartamentos minúsculos, trânsito em colapso, abastecimento de energia em colapso, enquanto as outras regiões do país continuam numa desigualdade contrastante demais. Temos metrô automatizado em SP e no Acre nem saneamento básico.

    ResponderExcluir

O dia do ladrão Fui roubado, entraram na minha casa, quebraram o vidro e arrombaram um cadeado, já era previsto e tinha tirado já ...