Total de visualizações de página

terça-feira, 4 de outubro de 2011

O Rock In Rio 2011, segundo e terceiro eu mesmo


O Rock In Rio 2011, esquecendo o lado capitalista selvagem do negocio, mais uma vez acabou se tornando uma grande festa com otimos Shows das bandas “gringas” e nacionais.Eu digo esquecendo o lado muito ruim do negocio, o lado capitalista, porque quando aconteceu o primeiro Rock In Rio eu estava praticamente voltando ao Brasil e tinha feito um longo percurso de Santiago, passando pela Argentina, Rio, Minas e estava em Guarapari e só dava pra mim ver alguma coisa quando encontrava alguma televisão ligada em algum dos “botecos” da praia do morro. Na verdade neste primeiro festival eu passei pela rodoviária do Rio e já dava pra ver o enorme movimento de pessoas chegando para o festival, mas aquele monte de gente usando mochilas novas com cheiro de plástico, muito bonitinhas e limpas demais pra mim  ia contra a minha ideia pra época do que seria estar indo pra um festival de Rock, a minha cabeça ainda estava em Woodstook onde o pessoal ia chegando pelas estradas com roupas e mochilas empoeiradas, havia uma sensação mesmo que inocente de mudanças, revolução, liberdade, irmandade e o capitalismo ainda não tinha se apoderado de tudo, tanto que teve comida grátis, o pessoal até tirou a roupa, viraram índios por alguns dias e tudo mais, coisas impossíveis de acontecer agora num festival com direito a pulseirinhas pra área vip e desfile de muita gente querendo só aparecer. Aquilo tudo que eu via na minha passagem pelo Rio de Janeiro já era estranho demais pra mim que vagava de carona pela América do sul, de mochila velha e violão também velho, com cordas de aço que de tanto eu dar porrada nele pra tentar fazer ele virar guitarra, foi ficando arrebentado. Eu sempre me senti fora de tudo e novamente naquele momento eu percebi que também aquele não era o meu lugar, ironia do destino pra mim que havia assistido um dos maiores shows no Brasil nos anos 70, Alice Cooper com a sua melhor formação, teria que tentar ver o AC/DC, Queen de uma pequena TV no bar de um camping de Guarapari.
Como já foi dito: Os tempos são outros e já não da pra esperar que as coisas mudem, então quem vai pra um show seguirá tendo que pagar um absurdo pelo ingresso, e mais outro por água e um pedaço de pão com alguma coisa dentro, por falar nisto; que democracia é esta que te proíbe de levar comida e água e te obriga a ter que pagar caro por isto? O ultimo show que eu fui que ainda dava pra mim pagar, foi o do Steve Vai no Olímpia em SP a uns 10 anos atrás, de lá pra cá eu desisti da ideia de ter que pagar de 150 a 200 reais pra ver e ouvir 2 horas de rock num país onde a média de salário é de 700 reais, o cara tem que bancar 10 dias do trabalho suado pra ver a sua banda preferida.
Como eu disse, esquecendo ou pelo menos fazendo de conta que não tem estas coisas eu assisti o Rock in Rio pela TV e algumas coisas não dá pra negar, o nível das bandas foi muito bom, inclusive das bandas Brasileiras, foi legal ver o Angra que vem batalhando há muito tempo estar lá e naquele dia que tudo ficou honestamente tingido de preto, teve shows que viraram verdadeiros rituais, parecendo religião, “o teatro da crueldade de Antonin Artaud”, teve o moche do cara do slipknot de 4 metros de altura, um vacilo e o cara ia direto pro chão. O show do Sistem of down no domingo pra mim foi um dos melhores que eu vi em toda minha vida, transe total, só faltou saírem voando. Metálica, Motorhead, Sepultura, Titãs voltando as suas origens tocando junto com a banda Portuguesa. Mas teve também como sempre gente forçando a barra, quer ser mas não é, eu penso que nada melhor do que ser honesto, assumir o que se é sem querer parecer, se fantasiar de outra coisa porque fica estranho , o cara quer ser pesado mas na verdade não passa de um carneirinho bonitinho e maquiado eu prefiro mil vezes ver a Katy Perry que assume direitinho o pop dela e faz um ótimo show, a Rihanna também , Stevie Wonder, Elton John , do lado do Brasil o Jota quest que esta fazendo um bom pop rock, não perdendo pra ninguém no gênero é honesto.. Falando em Katy Perry e Rihanna, a comunidade dos urubus do metal, a rapaziada da camisa preta deveria processá-las; elas vieram pegaram uns elementos do rock, alguns miliantes  e adicionaram no seu caldeirão do pop, façam devolverem os elementos ao velho Sr Rock and Roll, guitarras distorcidas, solos, baterias pesadas, devolvam, a Rihanna até trouxe o ex guitarrista do  Extreme Nuno Bitencourt que na época poderia ser até chamado de poser pela rapaziada do som mais pesado.
E... repetindo, esquecendo o lado podre do capitalismo mundial que devora tudo e não deixa alternativas, bom, existem alternativas e novamente ela tem que sair das garagens e esquinas da cidade para pequenos redutos, vários pequenos redutos, o mesmo caminho terá que seguir a ideia de cidades e supermercados, comunidades, cinemas, nós temos esta alternativa dos espaços menores e lutar para que não sejam novamente prostituídos, saqueados pelo capitalismo extremo, voltando ao que interessa, esquecendo estes detalhes, esta edição do Rock In Rio foi algo bom pras pessoas e principalmente pro Rio que vem de uma tragetoria de sangue e aquela história de que o que é que tem o pop, o samba a ver com o o Rock In Rio deve ser esquecida e enterrada porque as coisas tomaram outra direção musical e esta dando certo, o palco Sunset foi um exemplo disto, Rock In Rio é uma marca e ninguém troca uma marca que esta dando certo pra dar explicação pro que esta acontecendo, são apenas palavras, diferente de woodstok, quem leu algo sobre a história de woodstok sabe que lá teve muita coisa que também não era rock, como Ravi Shankar e alguns "bundaleles" também e outra, a pessoa vai no dia que tem aquilo que lhe interessa, com o 'bonus extra” de a chance da molecada que é a maioria se enroscar mais com “pernas depiladas e seios” do que com barbas, cabelos longos e cheiro de suvaco vencido ser bem maior.

Nenhum comentário:

Postar um comentário